segunda-feira, 10 de outubro de 2011

A Escolha da Creche... uma creche de Qualidade?


O ritmo de vida dos dias de hoje não permitem aos pais ficar com os bebés tanto tempo quanto gostariam pelo que, na hora de regressar ao emprego terão que avaliar qual a melhor opção. Na realidade portuguesa essas opções passam por deixar a criança com os avós, com uma ama ou em creches públicas ou privadas. Por um lado, penso que os avós começam a ser uma opção cada vez menos viável, uma vez que estes trabalham até mais tarde (em termos de idade) ao mesmo tempo que se questiona a importância de o bebé socializar com outras crianças desde muito cedo. Um estudo feito pelo Institute of Education (IE - Instituto de Educação) de Londres concluiu que crianças que aos 9 meses já freqüentavam creches estavam, aos 3 anos de idade, mais preparadas para a vida escolar. A mesma notícia referia que “em média, as que foram cedo para creches e berçários conseguiram mais pontos numa avaliação que mediu a sua compreensão das cores, letras, números, tamanhos, comparações e formas. Entretanto, crianças cujas famílias tinham alto nível de escolaridade apresentaram vocabulário maior quando criadas por um dos avós - na maioria dos casos, pela avó materna”. Este estudo salienta que os avós não devem ser deixados de fora da educação do bebé devendo “ser estimulados a participar do dia a dia da criança na escola”.
De acordo com o Instituto responsável pelo estudo “pesquisas anteriores concluíram que determinados ambientes pré-escolares, como as creches, podem ajudar as crianças a desenvolver o "traquejo social" necessário para enfrentar a vida no futuro”.
Neste dilema deve ter-se em conta que o pré-escolar não é a primeira etapa educativa das crianças. Até aos três anos, elas adquirem competências essenciais. A creche tem, por isso, uma responsabilidade imensa ao nível educativo.
Da necessidade de optar pela creche como alternativa considero que algumas questões muito importantes se levantam: Qual a melhor creche para o meu filho? O que é necessário uma creche ter para ser uma creche de qualidade? Tal como refere Gabriela Portugal é “fundamental a qualidade dos cuidados alternativos a prestar à criança”. Ao mesmo tempo, a DecoProteste afirma que “escolher uma creche é, sem dúvida, uma das tarefas mais difíceis com que se deparam os pais ou a família da criança, enquanto educadores. Isto porque há diversos factores a ter em conta na hora de decidir”. Daí ser essencial fazer uma pesquisa com várias creches, ouvir outros pais e observar o comportamento de quem prestará os cuidados à criança. Na fase da escolha muitas condicionantes fazem os pais optar por uma ou outra instituição, tais como custos, localização e horário. No entanto, existem outros aspectos importantes a ter em conta, entre eles o projecto pedagógico, as instalações oferecidas (sala de actividades, berçário, zona para higiene, zona de refeições), a formação e perfil dos prestadores de cuidados. A DecoProteste defende que, na escolha da creche “conversar com a direcção e com a educadora que, em princípio, ficará com a criança, é fundamental. Caso lhe dificultem o acesso a diferentes espaços, exclua essa escola. É importante sentir-se confiante com a selecção da creche ou jardim-de-infância e assegurar-se de que as crianças passam o dia num ambiente saudável e equilibrado”. O conceito de qualidade pode variar de acordo com as expectativas dos pais em relação ao que a instituição deve disponibilizar. 
Cabe, assim a todos os adultos envolvidos procurar proporcionar experiências significativas em espaços confortáveis e acolhedores com profissionais qualificados. A temática da qualidade é muito abrangente pelo que procurei apontar apenas alguns aspectos que considero relevantes para que se possa considerar uma instituição de qualidade, pelo que deverão ser tidos em conta pelos pais na altura da escolha da mesma. 

Tal como solicitei anteriormente gostaria de saber a vossa opinião em relação a este tema, tanto do ponto de vista de pais como de trabalhadores destas instituições.

Obrigada pela partilha